Conferência “Agricultura Urbana e Desenvolvimento: Contributos de e para Mulheres Migrantes e Refugiadas.”

Conferência “Agricultura Urbana e Desenvolvimento: Contributos de e para Mulheres Migrantes e Refugiadas.”

Dupla celebração: o encerramento do projeto “Urbagri4women” e a comemoração do 13º aniversário da fundação da AIDGLOBAL.

A AIDGLOBAL, no passado dia 8 de novembro, organizou a conferência “Agricultura Urbana e Desenvolvimento — Contributo de e para Mulheres Migrantes e Refugiadas”, que assinalou o encerramento do Projeto “Urbagri4Women”. A sessão, para mais de uma centena de participantes, teve lugar no Museu da Cerâmica de Sacavém.

A conferência contou com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Loures, Bernardino Soares, o Presidente da Câmara Municipal de Arruda dos Vinhos, André Rijo, a Vice-Presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras, Laura Rodrigues, a Vereadora da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, Maria Manuela Ralha, o Ministro Conselheiro da Embaixada de Moçambique em Portugal, Ananias Sigaúque, a Diretora Regional do Instituto Português do Desporto e Juventude de Lisboa e Vale do Tejo, Eduarda Marques, parceiros locais, voluntários e membros da AIDGLOBAL.

O Presidente da Câmara Municipal de Loures, Bernardino Soares, a Presidente da Direção da AIDGLOBAL, Susana Damasceno e a jornalista Fernanda Freitas iniciaram o seminário. Seguiu-se um painel composto por Clara Vaz, mestre em Migrações, João Santos e Filomena Aivado, fundadores do Projeto Hortas Ecológicas e parceiros do projeto, nomeadamente na criação das hortas na Urbanização dos Terraços da Ponte e no Centro de Acolhimento para Refugiados.

“Somos um concelho de acolhimento, com mais de 120 nacionalidades, e valorizamos os projetos que visem a integração e as condições de vida adequadas para todos, seja por motivos de subsistência e de apoio ao rendimento familiar, mas sobretudo pela manutenção de uma prática ligada às origens”, assinalou o presidente da Câmara Municipal de Loures, Bernardino Soares.

No último painel intervieram os parceiros internacionais do projeto, Fabiola Bedini, representante da TAMAT, organização coordenadora do projeto, e Elena Xeni da CARDET, organização responsável pelo desenvolvimento do Livro Verde (disponível aqui: http://bit.ly/2OIGJRa) e do Manifesto, recursos criados no âmbito do projeto, que apresentam recomendações e boas práticas de integração de Mulheres Migrantes para os municípios, tomando como ponto de partida a experiência dos 7 países e organizações parceiras, no decorrer do projeto: Itália (TAMAT), Áustria (SÜDWIND ), Chipre (CARDET), França (AMSED), Grécia (ieD), Inglaterra (GYROS), e Portugal (AIDGLOBAL).

O testemunho emocionado de uma das beneficiárias deste projeto, Domingas Santos que partilhou a sua experiência na criação e manutenção da horta da Urbanização dos Terraços da Ponte constituiu um momento marcante da sessão. Todos os participantes receberam um kit de horticultura composto por sementes biológicas e ferramentas.

No final do encontro, teve lugar um jantar-concerto que constituiu um momento de dupla celebração: o encerramento do projeto “Urbagri4women” e a comemoração do 13º aniversário da fundação da AIDGLOBAL.

O espaço musical esteve a cargo de Malenga, o músico e artista plástico moçambi-
cano que canta e reinventa as músicas tradicionais da sua gente e Sebastião Antunes, o mentor, compositor e interprete da banda portuguesa de música folclórica Quadrilha que, também, brindou a assembleia com a pré-estreia do Hino que compôs para a AIDGLOBAL.

Estórias de vida de  porto-santenses e madeirenses emigrantes 

Graça Morais e Cláudia Faria partilharam, de seguida, estórias de vida de muitos porto-santenses e madeirenses que emigraram, dando voz e protagonismo aos que partiram para assegurar a sua sobrevivência e dos familiares que permaneceram na Região Autónoma da Madeira (RAM). Os testemunhos apresentados foram recolhidas no âmbito do projeto “Nona Ilha” que tem como objetivo dar a conhecer os fenómenos migratórios da RAM e o seu impacto na economia e sociedade.
Os presentes falaram sobre algumas das suas memórias, do que ouviam contar dos familiares que emigravam, das saudades que tinham e da importância de serem bem-sucedidos no país de destino.
Após um breve intervalo, o grupo refletiu sobre os mitos e factos relacionados com os refugiados e migrantes forçados (ver mais informação aqui), e o que cada um pode fazer para promover a inclusão.
Organizado pela Escola Básica e Secundária Prof. Dr. Francisco Freitas Branco, Porto Santo (Grupo 300), o FLiPS decorreu entre 11 e 13 de julho, com o tema “Mar: Chão das Ilhas”.

A participação da AIDGLOBAL enquadrou-se no projeto “Educar para Cooperar – Porto Santo e Madeira” cofinanciado pelo Camões — Instituto da Cooperação e da Língua, I.P. e que tem como parceiros a Câmara Municipal do Porto Santo, a DRAPS e o Sindicato dos Professores da Madeira.

“O Fado (e não só) Acontece” juntou artistas de várias latitudes

O espetáculo de solidariedade mais emotivo do ano aconteceu no Cinema São Jorge A AIDGLOBAL, Organização Não Governamental para o Desenvolvimento (ONGD), cuja missão é Agir, Incluir e Desenvolver através da Educação, reuniu, no Cinema São Jorge, no dia 5 de novembro, vários artistas nacionais e internacionais em encontros improváveis, inspirados na fusão entre o ...