Parque Adão Barata, em Loures, acolhe projeto centrado na redução da pegada carbónica e na criação de um ambiente urbano mais sustentável

Parque Adão Barata, em Loures, acolhe projeto centrado na redução da pegada carbónica e na criação de um ambiente urbano mais sustentável

Parque Adão Barata, em Loures, acolhe projeto centrado na redução da pegada carbónica e na criação de um ambiente urbano mais sustentável

O encontro que marcou o arranque formal do “PAB_LivingLab – Vive a descarbonização no Parque Adão Barata” aconteceu em maio, e reuniu, em sessão online, todas as entidades envolvidas no seu desenvolvimento. O projeto é financiado pelo Programa Ambiente dos EEA Grants, um mecanismo financeiro plurianual estabelecido através do Acordo do Espaço Económico Europeu.

Lisboa, 14 de junho de 2021 ― A AIDGLOBAL ― Acção e Integração para o Desenvolvimento Global, em parceria com a Câmara Municipal de Loures, o Instituto Superior Técnico, a bim+, a dstsolar e a innovationpoint, unem esforços para erguer o “PAB_LivingLab – Vive a descarbonização no Parque Adão Barata”, projeto financiado pelo Programa Ambiente dos EEA Grants, que tem como operador a Secretaria-Geral do Ambiente.

Preocupado não só em reduzir as emissões de Gases com Efeito Estufa e a intensidade carbónica, o PAB_LivingLab quer, também, promover a eficiência energética e o uso de recursos, melhorar o sistema de logística urbana, através da promoção de uma mobilidade sustentável, e aumentar o envolvimento da comunidade em torno do Parque, criando as bases para um ambiente urbano sustentável.

De 2021 a 2024, período de duração do projeto, serão organizadas iniciativas e implementadas atividades capazes de dar resposta a problemas ambientais que têm vindo a ser discutidos, nos contextos nacional e internacional, e que estão intrinsecamente associados aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável previstos na Agenda 2030.

Da instalação de um sistema de rega inteligente, à criação de um plano para a gestão de resíduos ou de um sistema de sensorização que permitirá gerir a qualidade do ar, são várias as iniciativas previstas para garantir o cumprimento das metas propostas no projeto.

Susana Damasceno, Fundadora e Presidente da AIDGLOBAL, reconhece o carácter ambicioso do PAB_LivingLab, mas considera ser um passo necessário e inevitável no momento de pensarmos na vida e no mundo que queremos que as próximas gerações venham a conhecer. “Este projeto representa um contributo no combate às alterações climáticas e no momento de garantir que Portugal está no caminho para o alcance da neutralidade carbónica até 2050. É, ainda, um convite à sociedade portuguesa para que faça parte deste laboratório e para que o viva connosco. O PAB_LivingLab é de quem queira fazer do mundo um lugar mais sustentável e inclusivo, capaz de salvaguardar a qualidade de vida das populações, a sua saúde, educação e bem-estar”, refere, também, Susana Damasceno.

Paulo Piteira, Vice-Presidente da Câmara de Loures, destaca as políticas do Município na vanguarda da ação climática, que tem vindo a trabalhar ativamente através de projetos de mitigação e adaptação. São exemplos disso, o investimento na eficiência energética, na promoção de utilização de transporte público, com a conquista do passe único, e a primazia de modos suaves através da criação de novas ciclovias, aliada a uma forte estratégia de sensibilização ambiental.

“O PAB_LivingLab será mais um marco na estratégia de governança perante essa problemática global e emergente, que surge para tornar o território mais resiliente e servir a quem usufrui do mesmo. Será um projeto que permitirá a procura da neutralidade carbónica no Parque Adão Barata. Propomos, assim, o nosso território a local de teste de soluções inovadoras que promovam a descarbonização. Teremos, entre outras soluções, o primeiro edifício público do país a utilizar a metodologia de diagnóstico BIM e sensorização para auxiliar na diminuição do impacto da sua manutenção.

Com o PAB_LivingLab pretendemos não só dar um passo no caminho certo perante a temática das alterações climáticas bem como envolver a população de Loures neste processo, as pessoas são a peça fulcral para o futuro do nosso concelho”, sublinha o Vice-Presidente da Câmara Municipal de Loures.

Marta Almeida, Investigadora Responsável pelo projeto, no Instituto Superior Técnico (IST), reforça que “a descarbonização da sociedade só é possível se houver o empenho de todos, desde as autoridades, comunidade científica, empresas, organizações não governamentais, até ao cidadão. O projeto PAB_LivingLab junta todos os intervenientes desta cadeia de valor, num projeto que considera a descarbonização como uma prioridade máxima. O Instituto Superior Técnico, como parceiro científico, irá colocar, ao serviço do projeto, conhecimento base para enfrentar os desafios complexos que as alterações climáticas impõem para a humanidade. Por outro lado, para o IST, este projeto é uma oportunidade para adquirir novas competências, essenciais para um ensino atualizado e experimental, que considera fulcrais para formar profissionais e cidadãos que, no futuro, irão lidar com as várias dimensões do desenvolvimento sustentável.

Raul Junqueiro, responsável pela MOSAIC, que é o Hub de Inovação do dstgroup criado com o objetivo de abordar, de forma integrada, o mercado das smartcities, salienta a convergência de futuro entre tecnologia, meio ambiente e a cidadania ativa, num projeto que promove de forma ambiciosa soluções inovadoras para o combate às alterações climáticas e a descarbonização das cidades, centrado nas pessoas. “Sabemos que é nas cidades que o futuro do Planeta será desenhado e construído. O dstgroup, através da bim+, dstsolar e innovationpoint, sob a coordenação da MOSAIC, será parte ativa nesse caminho, em parceria com o município de Loures e restantes parceiros. Acreditamos que, através da implementação de novas tecnologias tais como: ferramentas “indústria 4.0” como o “BIM” para a digitalização do edificado e esperado impacto na diminuição da pegada de carbono dos edifícios; “novas grids” de energia assentes em modelos inovadores de comunidades de produção, consumo e partilha de energia; soluções convergentes de Iot para a mobilidade e uso eficiente dos recurso naturais bem como o uso de plataformas que permitem a analítica de dados IoT em tempo real, se irá criar uma proposta de valor, conjuntamente com os outros parceiros, sustentável e escalável a todo o território”, refere.

“Reiteramos, que este projeto é uma boa oportunidade para testar uma proposta de valor, que acreditamos ser fórmula de sucesso, através do conhecimento e intervenção de todos os parceiros do projeto. Sabemos que o PAB_LivingLab será palco para a criação de um novo ecossistema de soluções inovadoras envolvendo a comunidade em todas as fases do projeto, pois acreditamos que as cidades verdadeiramente “smart” são cidades sustentáveis, constroem-se de forma modular e são centradas nas pessoas”, conclui Raul Junqueiro.

“Working together for a green Europe” ― em português “Juntos construímos uma Europa mais verde” ―, é o slogan do PAB_LivingLab, por ser um projeto enquadrado na área do Ambiente e por ter como entidade financiadora os EEA Grants, que se traduzem num mecanismo financeiro plurianual estabelecido através do Acordo do Espaço Económico Europeu. Através dos EEA Grants, a Islândia, o Liechtenstein e a Noruega apoiam financeiramente os Estados-Membros da União Europeia com maiores desvios da média europeia do PIB per capita, entre os quais se inclui Portugal.

Para mais informações contacte:

Filomena Borges, Gabinete de Comunicação | 926 480 657 | comunicacao.gestao@aidglobal.org