As crianças de 5 Comunidades do Chibuto, em Moçambique, já podem ir à Escolinha

As crianças de 5 Comunidades do Chibuto, em Moçambique, já podem ir à Escolinha

As crianças de 5 Comunidades do Chibuto, em Moçambique, já podem ir à Escolinha

No âmbito do projeto “Educadores em Movimento – Uma Educação Itinerante para a Primeira Infância”, a AIDGLOBAL e os seus parceiros promoveram a abertura, no ano letivo de 2022, de cinco Escolinhas Comunitárias no Distrito do Chibuto, Província de Gaza, Moçambique, que receberam a inscrição de 271 crianças.

A abertura das Escolinhas decorreu ao longo do mês de fevereiro, em cada uma das cinco comunidades onde a AIDGLOBAL tem vindo a intervir no contexto do projeto. A 7 de fevereiro abriram as Escolinhas Comunitárias de Chaimite, Bairro 25 de Junho e Malehice, e a 14 de fevereiro abriram as Escolinhas Comunitárias de Chiconelane e Maivene, uma ação que constitui, por si, uma resposta ao investimento na Educação para a Primeira Infância, num país que tem cerca de 4.6 milhões de crianças dos 0 aos 4 anos. Com esta iniciativa, mais de duas centenas de crianças, dos 3 e aos 5 anos, que vivem no Distrito do Chibuto, já podem ir à sua Escolinha.

Ao fim de um mês de atividades, a Educadora de Infância, Ledieta Bombe, responsável pela componente pedagógica das Escolinhas, faz um balanço positivo: “Neste primeiro mês, as atividades foram planificadas, tendo em conta a preocupação com a adaptação das crianças à sua Escolinha, à socialização com outras crianças e com as suas Educadoras e a criação de uma rotina, a par de aprenderem a fazerem a sua descrição física e a descrição física dos outros, através de jogos e cantigas, em língua changana, a língua que se fala nas comunidades do Chibuto, e ainda em língua portuguesa”, conclui.

O plano pedagógico destas Escolinhas foi construído sempre em articulação com as orientações públicas para a Educação de Infância, nomeadamente as do Ministério do Género, Criança e Acção Social de Moçambique, para apoiar a dinamização das Escolinhas Comunitárias, tais como, o Programa Educativo para crianças do 1º ao 5º ano, o Manual de Atividades das Escolinhas Comunitárias, o Livro de Recurso do Educador de Infância.

A verificação de uma crescente e progressiva consciencialização para esta problemática que se cruza com o reconhecimento da Educação Pré-Escolar, enquanto estratégia mais ampla contra a pobreza, é hoje visível, designadamente no contexto dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Na segunda meta do ODS 4, por exemplo, pode ler-se que até 2030 é prioritário “garantir que todos as meninas e meninos tenham acesso a um desenvolvimento de qualidade na primeira fase da infância, bem como cuidados e educação pré-escolar, de modo que estejam preparados para o ensino primário”.

Este desenvolvimento de qualidade na primeira infância é crucial por várias razões, sendo que, uma delas prende-se com o facto de 85% do cérebro das crianças já estar desenvolvido quando estas atingem os 6 anos de idade. De acordo com a UNESCO (2006) o que este número nos indica é que, desde o nascimento até à entrada no Ensino Primário, há uma “janela de oportunidade para moldar o desenvolvimento do cérebro de uma criança” uma vez que, durante este período, as suas “conexões cerebrais formam-se a uma velocidade não repetida dando forma e profundidade ao desenvolvimento cognitivo, emocional e social e influenciando a capacidade de aprender, resolver problemas e de se relacionar com os outros”.

As Escolinhas Comunitárias criadas pela AIDGLOBAL são um projeto que quer contribuir para este desenvolvimento de qualidade na primeira infância, tendo a particularidade de se basear num modelo de gestão comunitário que quer dar oportunidade de inscrição também às famílias mais carenciadas.

Por essa razão acredita-se que a construção destas Escolinhas e a sua dinamização contribuirão, a médio/longo prazo, para a redução da pobreza e para uma maior equidade e inclusão de crianças e jovens.

A preocupação em torno do desenvolvimento cognitivo, físico, social e emocional da criança é hoje amplamente reconhecida e considerada por ocasião da elaboração dos programas pré-escolares que procuram apresentar às crianças uma instrução organizada fora do seu contexto familiar, de acordo com uma abordagem informal e holística, mas é preciso continuar.

Espreite a galeria de fotografias onde reunimos alguns registos fotográficos ilustrativos das primeiras atividades dinamizadas com as crianças por ocasião da abertura das três Escolinhas supramencionadas.

Educadores em Movimento – uma Educação Itinerante para a Primeira Infância” tem como financiador principal a Fundação Calouste Gulbenkian, como cofinanciador o Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, I.P., como promotor a AIDGLOBAL, gestora do projeto, como copromotor o Centro Vocacional e Residencial do Chibuto (CVRC), e como parceiros o Instituto Politécnico de Leiria (IPL), seu coordenador científico-pedagógico, pelo Centro de Estudos Internacionais do Instituto Universitário de Lisboa (CEI – Iscte) coordenador da componente antropológica, pelo Serviço Distrital da Juventude, Educação e Tecnologia do Chibuto (SDJET) e Serviço Distrital de Saúde, Mulher e Acção Social (SDSMAS) – entidades que garantem a articulação do projeto com as políticas públicas.